Carlyle aposta no mercado de lingerie no Brasil e compra Scalina

O Grupo Carlyle decidiu apostar no crescente mercado de lingerie no Brasil ao adquirir na segunda-feira uma participação na fabricante de roupas íntimas Scalina, informou a empresa de capital privado.

REUTERS

30 de agosto de 2010 | 21h27

O acordo para a compra de 51 por cento da Scalina, dona das marcas TriFil e Scala, foi estimada em 215 milhões de reais, informou uma fonte próxima às negociações.

Os recursos para fechar o acordo devem sair do fundo de investimento para a América do Sul da Carlyle e de um fundo local administrado pelo grupo e assessorado pelo Banco do Brasil, informou a Carlyle em comunicado.

A Scalina fabrica meias elásticas, meias e lingerie e detém patentes aprovadas no Brasil para produtos como faixas anticelulite e meias para prevenir varizes, acrescentou o comunicado.

Nos últimos cinco anos, o setor de lingerie no Brasil cresceu cerca do dobro da taxa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB), setor que se beneficiou, de acordo com a Carlyle, da rápida ascensão da classe média e da maior quantidade de mulheres na força de trabalho.

(Reportagem de Megan Davies, em Nova York, e Ana Nicolaci da Costa, em Brasília)

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASSCALINACOMPRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.