Carne: greve de caminhoneiros prejudica exportação na Argentina

São Paulo, 27 - A greve realizada por caminhoneiros na Argentina completa hoje seu oitavo dia e tem prejudicado os embarques de carne bovina do país, um dos maiores exportadores mundiais, de acordo com Mario Ravettino, diretor-executivo do Consórcio Argentino de Carne. De acordo com levantamento da entidade, os exportadores já tiveram prejuízo de pelo menos US$ 3 milhões por conta da greve. Os caminhoneiros bloquearam os acessos ao cinco portos do país e também ao principal aeroporto internacional, o de Ezeiza. Os exportadores de outros produtos perecíveis como frutas frescas, vegetais e carne de aves também enfrentam problemas. A greve é um protesto contra as novas exigências para a liberação das licenças de transporte. Fernando Garrido, porta-voz de uma das entidades que representam a categoria, disse que a greve vai continuar até que o governo revogue as novas regras, que exigem que os caminhoneiros passem por testes físicos e psicológicos para obterem a carteira de motorista. Os testes, segundo Garrido, vão excluir aqueles que têm problemas de saúde comuns como diabetes e colesterol alto. "Essas pessoas vão perder seus empregos", disse. Segundo ele, a greve não está afetando as exportações de grãos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.