Carrefour cortará 1,7 mil empregos e fechará 21 lojas na Bélgica

Em comunicado, empresa informa que a estrutura de custos da companhia a impede de obter lucratividade

Marcílio Souza, da Agência Estado,

23 de fevereiro de 2010 | 12h47

A varejista francesa Carrefour anunciou nesta terça-feira, 23, que vai reduzir sua equipe de funcionários em 1,7 mil pessoas e fechar 21 lojas na Bélgica. O grupo disse em comunicado que os resultados dos esforços anteriores para revitalizar as operações foram desanimadores e que a estrutura de custos da companhia a impede de obter lucratividade.

 

O valor da hora paga aos funcionários, por exemplo, é superior ao de concorrentes locais, disse o Carrefour, acrescentando que tentará alinhar suas condições de trabalho com as práticas predominantes no mercado.

 

O executivo-chefe do Carrefour, Lars Olofsson, descreveu na semana passada a experiência da varejista na Bélgica como "uma história longa e triste" e disse que os executivos haviam convocado uma reunião com os representantes dos empregados para hoje.

 

Em outubro do ano passado, Olofsson decidiu pôr um fim à incursão do grupo na Rússia, deixando totalmente o país. Desde então, seu foco voltou-se para as operações em dificuldade na Bélgica.

 

Analistas dizem que os investimentos na redução dos preços não parecem ter contribuído para melhorar as tendências de vendas na Bélgica. A companhia concorre localmente com a Delhaize Group e a Colruyt, que têm conquistado fatia de mercado do grupo francês.

 

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Bélgica, emprego, Carrefour

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.