Embraer
Embraer

‘Ideia é usar carro voador para atender classe média’, diz executivo do setor aéreo

São Paulo, Rio, Curitiba e Belo Horizonte estão entre as primeiras cidades que receberão os eVTOLs da empresa

Entrevista com

Paul Malicki, diretor executivo da Flapper

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2022 | 05h00

Flapper, que conecta passageiros e voos executivos por meio de uma plataforma online, é uma das empresas que já encomendou da Embraer  “carros voadores”. De acordo com o diretor executivo da Flapper, Paul Malicki, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte estão entre as primeiras cidades que receberão os eVTOLs (sigla em inglês para veículos elétricos de pouso e decolagem virtual, nome oficial do “carro voador”). Além da encomenda feita com a Embraer, a Flapper também tem fechado parcerias com outras empresas do setor aéreo para trabalhar, nos próximos anos, com outros tipos de aeronaves elétricas. A seguir, trechos da entrevista.

Como funcionará a parceria com a Embraer? A Flapper hoje não tem aeronaves próprias. Vocês vão comprar os eVTOLs?

Ainda não sei dizer se vai ser leasing (contrato de aluguel com um terceiro que, ao final, oferece a opção de compra) ou compra direta da aeronave, mas a ideia é que uma empresa com experiência no setor faça essa operação.

O contrato foi fechado em número de horas de voo que a Embraer fornecerá, e não em total de veículos...

Como a capacidade de baterias deve melhorar nos próximos anos, não sabemos se, para ter 25 mil horas de voos, precisaremos de cinco ou quinze aeronaves. Fizemos um contrato que considera nossa demanda em horas, que já existe, mas não estipula o número exato de aeronaves.

Quando e onde a Flapper deve começar a trabalhar com “carros voadores”?

Se a Embraer começar a entregar as aeronaves em 2026, podemos imaginar que a Flapper será um dos primeiros clientes. Vamos operar em cidades em que o aeroporto é longe do centro, que têm trânsito intenso e população ampla. São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba serão prioridade. No longo prazo, nada impede de operarmos entre Angra dos Reis e Rio, onde já temos muita demanda.

O que mudará na comparação com o que a Flapper oferece hoje?

Esse tipo de veículo abre um mercado que hoje está reservado para pessoas mais ricas. A ideia é atender a classe média. Estamos falando de um voo que talvez custe o dobro de uma corrida de Uber, mas que, no longo prazo, vai ser mais barato. Estamos falando de criar algo totalmente novo. Será um mercado sustentável e com aeronaves silenciosas. 
Tudo o que sabemos sobre:
Embraercarro voador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.