Carteira de crédito do Santander encolhe no 1º trimestre

A carteira de crédito ampliada do Santander Brasil totalizou R$ 275,24 bilhões no primeiro trimestre de 2014, representando uma queda de 1,6% ante os três meses imediatamente anteriores e alta de 7,2% frente ao primeiro trimestre de 2013.

CYNTHIA DECLOEDT, Agencia Estado

29 de abril de 2014 | 09h25

O crédito ao segmento de grandes empresas subiu 16,4% para R$ 79,13 bilhões no primeiro trimestre frente ao mesmo período do ano passado e queda de 1,6% em relação ao quarto trimestre do ano passado. O crédito para as pequenas e médias empresas diminuiu 11,8% nos três primeiros meses do ano em relação ao período equivalente de 2013 para R$ 31,87 bilhões e recuou 5,5% na comparação com o trimestre imediatamente anterior.

O crédito para as pessoas físicas cresceu 5,9% no primeiro trimestre, em base anual, e avançou 0,1% na comparação com o quarto trimestre de 2013, para R$ 75,58 bilhões. De acordo com o informe de resultados do banco, o aumento deveu-se ao crescimento da carteira de crédito imobiliário e cartões no período de 12 meses até março.

A carteira de cartões totalizou R$ 16,714 bilhões, alta de 12,0% em doze meses até março, mas redução de 2,9% no primeiro trimestre frente ao quarto trimestre. A redução no trimestre, decorre, principalmente, da sazonalidade do período, diz o banco.

O saldo do crédito imobiliário alcançou R$ 16,694 bilhões em março de 2014, com alta de 33,6% em doze meses e 6,3% no trimestre. O volume da carteira de consignado, incluindo o montante de carteira adquirida, somou R$ 12,800 bilhões, com redução de 14,8% em doze meses e de 6,7% no trimestre.

A carteira de financiamento ao consumo, dentro do crédito pessoal, que é originada fora da rede de agências, totalizou R$ 37,421 bilhões em março de 2014, alta de 3,3% em doze meses e queda de 1,1% no comparativo trimestral. Do total desta carteira, R$ 30,625 bilhões referem-se a financiamentos de veículos para pessoa física. Portanto, considerando a carteira total de veículos para pessoa física, que inclui as operações feitas por meio de correspondentes bancários (financeira) e pela rede agências, houve crescimento de 2,9% em doze meses e 0,4% no trimestre, totalizando R$ 33,854 bilhões ao final de março de 2014, explica o banco.

O índice de inadimplência acima de 90 dias caiu 2 pontos porcentuais no primeiro trimestre em comparação ao mesmo período de 2013 para 3,8% e avançou 0,1 ponto porcentual frente ao quarto trimestre do ano passado.

O saldo das provisões para crédito de liquidação duvidosa totalizou R$ 15,05 bilhões em março de 2014, redução de 1,7% em doze meses e alta de 0,3% no primeiro trimestre frente ao quarto trimestre do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.