Cartões elevam consumo mundial em US$ 1,1 trilhão em 5 anos

No Brasil, o dinheiro de plástico gerou aumento de 2,29% no consumo privado, segundo a Moody's 

Sílvio Guedes Crespo, de Economia & Negócios,

26 de outubro de 2010 | 16h00

Às vésperas de o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reunir para desenvolver uma nova regulamentação para os cartões de crédito, dados de um estudo da agência Moody's de março, até agora inédito na imprensa, mostram que as facilidades que o dinheiro de plástico provê geraram um aumento de 2,29% no consumo privado médio do brasileiro.

O estudo da Moody's diz, por exemplo, que os cartões "lubrificam o motor da economia, fazendo as transações fluírem mais suavemente e criando eficiência no comércio". A pesquisa envolveu 51 países que, juntos, respondem por 93% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial.

O mesmo levantamento diz que, no mundo, o cartão possibilitou um aumento de US$ 1,1 trilhão no consumo mundial entre 2003 e 2008. O uso do cartão adicionou 0,2 ponto percentual ao ritmo de expansão do PIB (Produto Interno Bruto) mundial no período; o indicador, que avançou 3,2% ao ano, teria crescido 3% se não fosse pelo consumo que o dinheiro de plástico estimula, de acordo com a Moody's.

O CMN se reúne na quinta-feira, 28, para começar a preparar novas regras para cartões.

(Texto corrigido às 19h38)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.