Casino questiona declarações de Diniz sobre Carrefour

Grupo francês reclamou que, durante palestra, empresário insinuou que fusão com o Carrefour ainda poderia sair

Rodrigo Petry, da Agência Estado,

31 de outubro de 2011 | 23h19

A rede varejista Casino enviou carta ao grupo Pão de Açúcar, com cópia para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), na sexta-feira, questionando as declarações do empresário Abilio Diniz, feitas em palestra na última quinta-feira, em São Paulo. Segundo uma fonte que preferiu não ser identificada, o Casino considera que a tentativa de fusão com o Carrefour é um assunto encerrado e não gostou de o empresário ter dado sinais, na avaliação do grupo francês, de que o negócio ainda poderia sair.

Diniz, ao falar sobre a tentativa de fusão do Pão de Açúcar com o Carrefour, após uma pergunta da plateia, disse: "Como todos sabem, a operação não foi para frente. Era um grande plano? Era sensacional. Pode ser ainda? Talvez possa, mas é imprevisível", disse.

Na semana passada surgiram informações de que Diniz teria se encontrado com Naouri na França e que o clima estaria melhor entre os dois empresários. De acordo com a fonte, no entanto, o encontro entre Naouri e Diniz, no último dia 21, na França, durou cerca de 15 minutos e foi "protocolar". Além disso, a conversa, que aconteceu após uma reunião do Conselho de Administração do Casino, não incluiu o tema Carrefour ou o processo de arbitragem entre os sócios naCâmara de Comércio Internacional (CCI).

A assessoria de imprensa da Península, empresa da família Diniz, informou que a proposta de fusão com o Carrefour, apresentada em junho, "não existe mais, não há qualquer negociação em curso e nada será realizado sem o consentimento do Casino".

O Casino e o Pão de Açúcar informaram, por meio das assessorias de imprensa, que não comentariam o assunto.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Pão de AçúcarCarrefourCasino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.