Robson Fernandjes/ Agência Estado
Robson Fernandjes/ Agência Estado

CBA, a ‘joia da coroa’ dos Ermírio de Moraes, arrecada R$ 1,6 bilhão em IPO

Grupo Votorantim vendeu ações da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) e embolsou R$ 910 milhões na operação; empresa teve de reduzir preço que buscava para concluir a oferta

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2021 | 18h10

Uma das principais empresas do Grupo Votorantim - conglomerado da família Ermírio de Moraes -, a octogenária Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) conseguiu demanda para concluir sua oferta inicial de ações (IPO, pela sigla em inglês), que movimentou R$ 1,61 bilhão. A fabricante de alumínio vai estrear na Bolsa brasileira valendo R$ 6,7 bilhões na próxima quinta-feira, dia 15. A CBA era citada no mercado como a “joia da coroa” do grupo dos Ermírio de Moraes.

Na oferta, o grupo Votorantim realizou uma venda de uma fatia de sua participação, operação pela qual embolsou R$ 910 milhões, conforme fontes de mercado. Essa será a segunda empresa do grupo a ter capital aberto. A primeira foi a Nexa, braço de mineração. O conglomerado tem ainda na mesa a venda de sua participação no banco BV, depois que tentar, em mais de uma ocasião, realizar uma oferta de ações.  

A ação no âmbito da oferta foi precificada em R$ 11,20, abaixo do piso da faixa indicativa de preço para o IPO, que ia de R$ 14 a R$ 18, ou seja, um desconto de 20%, apurou o Estadão.  Como houve um desconto em relação ao preço inicialmente proposto, a decisão foi de não vender o lote adicional da oferta.

Do total de recursos da oferta, R$ 700 milhões irão para o caixa da empresa, o que deve financiar crescimento e aquisições, conforme informações que constam no prospecto da oferta. Estruturaram a oferta o Bank of America, BTG Pactual, Bradesco BBI, Citi, XP e UBS BB.

Faturamento de mais de R$ 5 bilhões

A companhia possui atualmente três unidades de exploração de bauxita, localizadas em Barro Alto (GO), Zona da Mata (MG) e Poços de Caldas (MG), com potencial para garantir a autossuficiência no suprimento do minério para a produção do alumínio por um período acima de 20 anos. No ano passado, produziu 1,7 milhão de toneladas de bauxita processada e 307 mil toneladas de alumínio fundido. O faturamento anual da empresa é de R$ 5,4 bilhões.

A casa de análise Suno disse, em relatório, que um dos riscos relacionados à CBA tem relação à “dependência do preço da commodity e de um cenário macroeconômico favorável”, além de uma dívida em dólar. Por isso, tinha indicado a clientes a não entrarem na oferta ao preço inicialmente proposto. 

No geral, contudo, apontou a empresa como bem posicionada no mercado. “É evidente que a Companhia Brasileira de Alumínio está situada em um ótimo mercado – e bem posicionada em relação a seus concorrentes”, destaca a Suno, em documento enviado a clientes. Dentre os pontos positivos, lembrou está a utilização de energia limpa para ao processo produtivo.

Semana cheia

Esta semana está movimentada para as ofertas de ações na B3. Na segunda-feira já precificou a rede de academias Smart Fit, uma operação com grande demanda. Amanhã será a vez da InterCement (segunda maior empresa de cimentos do País) e, logo depois, da fabricante de eletroeletrônicos Multilaser.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.