Cemig: entrada de novos concorrentes encarece ativos

A entrada de novos concorrentes no setor elétrico brasileiro está encarecendo os ativos, afirmou o diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações da Cemig, Luiz Fernando Rolla. "O mercado está mudando com a entrada de novos concorrentes que não esperávamos. Esse novo fator vai influenciar o setor", disse o executivo, em referência à aquisição dos ativos da Plena Transmissoras pela estatal chinesa State Grid.

WELLINGTON BAHNEMANN, Agencia Estado

24 de maio de 2010 | 15h20

A Cemig, inclusive, era uma das empresas que disputava a compra das linhas de transmissão da Plena. Rolla afirmou que a companhia chegou a fazer uma proposta pelos 12 ativos de transmissão da Plena, porém sem sucesso. "Eles pagaram muito mais caro do que propusemos", disse o executivo, sem entrar em detalhes da proposta. A State Grid pagou aos espanhóis da Plena cerca de R$ 3 bilhões.

Sobre novas aquisições, Rolla reforçou a intenção de a Cemig continuar crescendo no setor elétrico, mas ponderou que o mercado anda bastante volátil. "Atualmente, não é um bom momento para comprar ativos", afirmou o executivo em evento do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (Ibri), do qual é presidente do conselho de administração.

Tudo o que sabemos sobre:
energiaCemigconcorrência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.