Mike Blake / Reuters
Mike Blake / Reuters

CEO da Chevron diz a Biden que não existe ‘resposta fácil’ para a alta da gasolina

Declaração foi dada depois de o presidente dos EUA fazer um pedido público para as petroleiras aumentarem a produção para lidar com o aumento dos combustíveis

Gabriel Bueno da Costa, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2022 | 19h42

O executivo-chefe da petroleira Chevron, Michael K. Wirth, enviou uma carta ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, publicada no site da companhia. Na mensagem datada desta terça-feira, 21, ele afirma que líderes do setor petroleiro, acadêmicos e muitos formuladores têm ressaltado que "não há respostas fáceis nem qualquer resposta de curto prazo para os desequilíbrios na oferta e na demanda global, agravados pela invasão da Rússia na Ucrânia".

O executivo ainda pediu "disposição para trabalhar juntos, não retórica política" para resolver o quadro.

Em 2021, a Chevron produziu o maior volume de petróleo e gás em seus 143 anos de história, ressaltou o CEO.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tem pressionado petroleiras no país para aumentar a oferta, a fim de ajudar a conter os preços do setor.

Wirth destaca o investimento de US$ 10 bilhões da companhia para reduzir suas emissões de gases estufa e ganhar escala em tecnologias mais avançadas no setor de energia e diz que os EUA serão líderes nessa frente.

O executivo ainda ressalta a Biden que a Chevron "compartilha suas preocupações sobre os preços mais altos" e diz que a empresa "faz a sua parte" para lidar com esses "desafios", como aumentar seus gastos de capital a US$ 18 bilhões em 2022 mais de 50% a mais que no ano anterior.

Wirth diz concordar com o pedido de Biden para que o setor aumente a oferta, diante "desta crise de energia", provocada em parte pela "situação geopolítica" com a guerra na Ucrânia. E pediu "clareza e consistência em questões de política", entre elas acordos de leasing e autorizações para exploração em terras federais.

Pressões

A mensagem do executivo é mais um capítulo no quadro global de avanço forte dos preços de energia e pressão sobre o setor para conter esse movimento.

No Brasil, a alta recente nos preços do diesel e da gasolina elevou a pressão sobre a Petrobras por parte do governo do presidente Jair Bolsonaro e também do Legislativo.

Na Europa, o tema também tem sido tratado em declarações constantes de autoridades, diante também do risco de corte no fornecimento da Rússia, diante da guerra na Ucrânia e das sanções subsequentes contra Moscou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.