CEO da Intel surpreende ao pedir aposentadoria para maio

A Intel anunciou que Paul Otellini decidiu renunciar ao cargo de CEO em maio. A notícia quebra as tradições da empresa e provoca a busca por um sucessor. A companhia do Vale do Silício, a maior produtora de semicondutores do mundo em termos de receita, sinaliza os planos de sucessão com antecedência. A expectativa era de que Otellini, de 62 anos, permanecesse no cargo até seus 65 anos, idade de aposentadoria compulsória na Intel.

STEFÂNIA AKEL, Agencia Estado

19 de novembro de 2012 | 17h21

Otellini surpreendeu a diretoria com sua decisão, ao considerar que é hora de uma nova liderança para a empresa, segundo informou uma pessoa próxima à situação. Ele anunciou que é hora de "seguir em frente e transferir a liderança da Intel para uma nova geração".

"A decisão de se aposentar foi inteiramente de Paul Otellini", disse o porta-voz da Intel, Paul Bergevin. Ele acrescentou que a diretoria aceitou a decisão "com pesar".

O anúncio vem em um momento em que a Intel, que fabrica microprocessadores utilizados na maior parte dos computadores, enfrenta queda na demanda por PCs e tenta entrar no mercado de telefones celulares, que cresce a ritmo mais acelerado. Essa era uma prioridade na gestão de Otellini, mas que havia tido resultados limitados até então.

A Intel informou que vai analisar candidatos internos e externos para o cargo. Otellini disse que vai estar disponível como consultor de gestão após sua aposentadoria.

Na tarde desta segunda-feira, as ações da Intel eram negociadas a US$ 20,14, em baixa de 0,25%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IntelCEOaposentadoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.