CEO da Volkswagen lutará por cargo, dizem fontes

A Volkswagen mergulhou em uma crise de liderança após o presidente-executivo Martin Winterkorn deixar claro neste sábado que lutará pelo seu cargo, mesmo que o presidente do Conselho da montadora já tenha perdido a confiança no executivo.

ANDREAS CREMER, REUTERS

11 Abril 2015 | 11h03

Ferdinand Piech, que passou quase 22 anos no comando da empresa, nove como presidente-executivo, disse que tem "se distanciado" de Winterkorn, informou na sexta-feira a Der Spiegel, expondo dissidência incomum entre dois principais líderes da Volkswagen.

O comentário de Piech é visto por analistas como minando as perspectivas de Winterkorn de renovar o seu contrato, que expira em dezembro de 2016, e assumir o Conselho quando Piech se aposenta.

Winterkorn, que em seu reinado de oito anos tem supervisionado a transformação da empresa de um grupo alemão pressionado com elevados custos do trabalho em uma das companhias do setor automóvel mais bem sucedidas do mundo, não vai fugir de seu trabalho e se sente encorajado pelo apoio de aliados fortes, afirmaram à Reuters neste sábado duas fontes da Volkswagen que fica em Wolfsburg.

Um porta-voz da Volkswagen se recusou a comentar a notícia. O escritório de Piech, em Salzburgo, na Áustria, não retornou as ligações para comentar.

O alemãp Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung informou neste sábado que Winterkorn não se deixaria ser tirado da empresa, citando fontes não identificadas na montadora.

Mais conteúdo sobre:
EMPRESASVOLKSWAGEN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.