Cerca de US$ 27 bilhões satisfariam a Grécia

Segundo fontes, caso opte por ajuda da União Europeia, Grécia vai preferir um empréstimo de longo prazo a obter garantias para bônus

Danielle Chaves, da Agência Estado,

12 de fevereiro de 2010 | 14h50

Se a Grécia precisar de uma ajuda financeira da União Europeia, o governo vai preferir um empréstimo de longo prazo a obter garantias para bônus, segundo duas pessoas próximas ao assunto. A Grécia não pediu ajuda, mas se isso for preciso, "cerca de 20 bilhões de euros (US$ 27 bilhões) satisfariam o governo", disse uma das fontes.

 

"Um empréstimo é um jeito mais claro de dizer para os mercados que a UE tem confiança nas medidas do governo grego para lidar com seu déficit orçamentário", disse a outra fonte. "Mas ainda não há indicação de Bruxelas sobre o que pode ser decidido", acrescentou. O Ministério de Finanças da Grécia não respondeu a pedidos por comentários.

 

Segundo uma das fontes, em reuniões fechadas os membros da UE estão discutindo medidas que incluem garantias para bônus gregos por países como França e Alemanha ou a emissão de bônus por bancos estatais da UE cujos recursos seriam emprestados à Grécia de alguma forma.

 

Medidas concretas de ajuda à Grécia podem ser discutidas por ministros de Finanças da zona do euro em uma reunião na segunda-feira e endossadas por ministros da UE na terça. "Mas não há garantias de que qualquer anúncio será feito porque a Grécia ainda precisa pedir dinheiro", disse uma fonte. "Isso também vai depender de como o euro vai se comportar até lá", acrescentou.

 

A fonte disse que Atenas pode ser forçada pedir dinheiro em abril ou maio, quando vai precisar de 22,6 bilhões de euros para pagar bônus que vão vencer. A necessidade de empréstimos da Grécia para este ano é de 54 bilhões de euros, dos quais já obteve cerca de 15 bilhões de euros. Portanto, um empréstimo de 20 bilhões de euros "com termos relativamente favoráveis basicamente resolveria o problema de crédito da Grécia para este ano", disse a outra fonte. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Grécia, crise, dívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.