Chanceler alemã diz que decisão da GM sobre Opel é urgente

A chanceler alemã Angela Merkel expressou desapontamento com o fracasso da General Motors em escolher um comprador para a unidade Opel, na Alemanha, e disse que uma decisão é urgentemente necessária para o futuro da montadora.

DAVE GRAHAM, REUTERS

23 de agosto de 2009 | 10h28

Em entrevista à rede de TV alemã ZDF que será transmitida no final do domingo, Merkel disse acreditar que pode haver um conflito de interesse entre a GM e os países com participação em suas operações europeias, mas que algum progresso está sendo feito.

"Eu lamento que uma decisão final não foi tomada, mas eu espero que aconteça logo, porque tanto pelos trabalhadores como pela situação econômica da Opel, precisamos urgentemente de uma decisão", afirmou ela.

"O conflito de interesse seria que nós (do governo alemão) pensamos que a Magna fez a melhor oferta pela Opel, o que faria da GM uma acionista minoritária na empresa, e pode haver vozes na GM que não veem com bons olhos uma participação minoritária", prosseguiu.

Apesar da pressão da Alemanha em apoio à proposta da Magna International, a GM recusou-se na sexta-feira a declarar a oferta da canadense como vencedora da disputa pela Opel, deixando o destino da montadora alemã em aberto.

No meio de um processo eleitoral, o governo alemão ofereceu suporte financeiro para a proposta da Magna por acreditar que se trata da melhor opção para salvar empregos na Opel, que tem cerca de 25 mil trabalhadores na Alemanha.

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOSOPELMERKEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.