Chartis e Odebrecht fecham seguro para reforma do Maracanã

Contrato garante que as obras serão concluídas dentro do prazo previsto para a Copa de 2014

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

24 de agosto de 2010 | 18h57

A seguradora Chartis (ex-AIG) ganhou a apólice do seguro de garantia das obras de reforma do estádio Maracanã para a Copa de 2014, informou a seguradora em um comunicado. Esse seguro garante que as obras vão ser concluídas dentro do prazo previsto em contrato.

A reforma do estádio vai custar R$ 705 milhões. As construtoras Norberto Odebrecht, Andrade Gutierrez e Delta Engenharia formaram o consórcio Maracanã Rio 2014 e venceram a licitação do governo do estado do Rio de Janeiro para tocar a reforma. No seguro garantia, a Chartis venceu a concorrência. Os executivos da seguradora não estavam disponíveis para entrevista.

As obras começaram na segunda-feira, dia 23. Após a reforma, o estádio terá capacidade reduzida para 76 mil torcedores. Em 1969, e um jogo classificatório para a Copa do Mundo, recebeu oficialmente 183,3 mil torcedores - recorde oficial de público.

Além do Maracanã, outro estádio com seguro fechado para a Copa de 2014 é o Governador José Fragelli, conhecido como Verdão, em Cuiabá (MT). A apólice tem valor em risco de R$ 342 milhões e cobre a reforma da arena. A seguradora líder foi a inglesa RSA, a principal responsável pela apólice para a Olimpíada de Londres de 2012, conforme antecipado pela Agência Estado no último dia 21.

A Chartis resolveu reforçar sua atuação no Brasil, ampliar a equipe e a área de atuação, que vai passar a incluir o varejo em 2011. A seguradora participa das garantias de outros grandes projetos no Brasil como a Usina Hidrelétrica Santo Antônio, em construção no Rio Madeira, em Porto Velho, e a concessão da Rodovia Dom Pedro I no Estado de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.