Cheque sem fundos registra 1ª queda anual em quase 2 anos

Segundo Serasa Experian, do total dos cheques compensados em novembro, 1,96% foi devolvido por falta de fundos

Renan Carreira, da Agência Estado,

18 de dezembro de 2012 | 09h28

SÃO PAULO - Do total dos cheques compensados em novembro, 1,96% foi devolvido por falta de fundos. O porcentual representa 1,456 milhão de 74,197 milhões de cheques compensados. Segundo o Indicador de Cheques Sem Fundos, divulgado nesta terça-feira (18) pela Serasa Experian, em novembro de 2011 o porcentual de cheques devolvidos foi de 2,19%. Com isso, registrou-se a primeira queda na variação anual em 21 meses, já que o último recuo nessa base de comparação havia sido em fevereiro do ano passado, quando houve 1,83% de cheques devolvidos ante 1,85% em fevereiro de 2010.

O porcentual de devolução registrado em novembro, de 1,96%, foi o segundo menor para esse mês nos últimos cinco anos - atrás apenas de novembro de 2010 (1,68%). Em 2008, 2009 e 2011, os porcentuais foram de 2,16%, 2,04% e 2,19%, respectivamente.

No acumulado de janeiro a novembro deste ano, o levantamento registrou 2,01% de devolução de cheques, na comparação com 1,95% no mesmo período de 2011. Já na comparação de novembro com outubro de 2012, houve ligeira alta na devolução de cheques, já que em outubro foi devolvido 1,94% dos cheques compensados.

Em nota distribuída à imprensa, os economistas da Serasa Experian afirmaram que "o resultado de novembro, marcando a primeira queda interanual em 21 meses, sinaliza uma tendência de normalização gradual dos níveis de inadimplência com cheques no País, a ser verificada ao longo de 2013".

De janeiro a novembro de 2012, Roraima aparece na liderança dos Estados com o maior porcentual de cheques devolvidos: 11,73%. Na outra ponta, o Estado de São Paulo é o que registra o menor porcentual de devolução de cheques no período: 1,47%. A região Norte tem o maior porcentual de devolução de cheques de janeiro a novembro (4,43%), enquanto a região Sudeste tem o menor (1,58%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.