Cheques sem fundo atingem maior nível em 18 anos, diz Serasa

Dados apontam que foram devolvidos 25,2 cheques a cada mil, maior índice desde início do levantamento, em 91

18 de junho de 2009 | 10h55

O índice de cheques devolvidos no País bateu recorde em maio, segundo dados divulgados nesta quinta-feira, 18, pela Serasa Experian. Foram registradas 25,2 devoluções de cheques a cada mil compensações, o maior número desde 1991, ano de início do levantamento. Ao todo, foram devolvidos 2,49 milhões de cheques.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

O número apresenta crescimento de 13,5% sobre o índice de abril, o que, segundo os técnicos da Serasa pode ser explicado pela ocorrência, em maio, do feriado do Dia das Mães. "Sazonalmente, maio costuma registrar maior devolução de cheques", afirma a nota de divulgação da pesquisa. Eles citaram também o pagamento das compras parceladas de páscoa e as despesas com os feriados prolongados de abril como responsáveis pelo aumento do indicador.

 

Na comparação de maio de 2009 com maio de 2008 o volume de cheques devolvidos a cada mil compensados aumentou 18,9%.

 

A devolução recorde do mês de maio fez com que, no acumulado de janeiro a maio de 2009, a taxa de devolução de cheques sem fundos também registrasse recorde: 23,6 cheques para cada mil compensados, o maior número de devoluções para cada mil compensações registrado desde 1991.

 

"Este recorde é reflexo dos efeitos da crise, tais como a elevação do desemprego e uma maior utilização do cheque pré-datado para compensar os ajustes na oferta de crédito", afirma a nota. Ao todo, foram devolvidos 12,11 milhões de cheques de janeiro a maio deste ano, um crescimento de 16,3% ante o mesmo período de 2008.

 

Ranking

 

A Serasa aponta, porém, que os cheques sem fundo ainda ocupam a terceira posição no ranking da inadimplência dos consumidores, superados pelas dívidas com cartões de crédito e financeiras e pelas pendências com bancos.

 

No ano até maio, a participação dos cheques devolvidos na inadimplência está em 17,5%, abaixo da participação de 22,8% verificada no mesmo período de 2008.

 

Os analistas da Serasa afirmam ainda que a expectativa de recuperação econômica no segundo semestre de 2009 deverá reduzir a inadimplência nos cheques ao longo dos próximos meses.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeirainadimplência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.