Chevron Brasil prevê começar a investir com Petrobras este ano

A Chevron Brasil espera decidircom a Petrobras, em meados deste ano, os investimentosnecessários para desenvolver os campos de Maromba e Papa-Terra,ambos na Bacia de Campos, operados pela estatal brasileira eentre os cinco com participação da empresa norte-americana nopaís. "Se tudo correr bem nesse ambiente de bastante desafios,estimamos 2010 para começar a produzir no primeiro campo(Papa-Terra) e 2011/2012 para o segundo campo (Maromba)",afirmou a jornalistas o presidente da Chevron Brasil, DanielRocha, após palestra no 14o Latin Upstream, que está sendorealizado até quarta-feira no Rio de Janeiro. Operadora do campo de Frade com 51,7 por cento departicipação, que começa a produzir em janeiro de 2009, aChevron Brasil prevê investir 1,5 bilhão de dólares no país emtrês anos --sendo 1 bilhão de dólares em Frade-- e não tememudanças de regras que possam desestimular a exploração eprodução local. No campo de Frade a previsão é produzir de 80 a 100 milbarris diários. A Chevron possui ainda 20 por cento de participação nosprojetos Atlanta e Oliva, operados pela Shell e dos quais aPetrobras é co-proprietária. "Temos bastante confiança no Brasil, no sistema reguladordo Brasil desde a abertura (do mercado de petróleo), e vamosesperar pacientemente as novas decisões", disse Rocha. O governo brasileiro estuda mudanças no marco regulatóriodo setor de petróleo e gás para valorizar as reservas do país, depois que a Petrobras anunciou a descoberta de possíveismega-reservas abaixo da camada pré-sal na costa brasileira. Rocha disse que mesmo com novas regras, a empresa nãodeverá deixar de participar de novas ofertas de áreaspetrolíferas nos leilões da Agência Nacional do Petróleo, GásNatural e Biocombustíveis (ANP). "A agência (ANP) é bastante madura, bastantesofisticada...teremos novas ofertas, possivelmente regrasdiferentes, mas podemos participar", afirmou. Para este ano, o governo brasileiro estuda realizar a 10arodada de licitações de blocos de petróleo e gás e ainda podereeditar a 8a rodada, suspensa pela Justiça e ainda dependendode decisão do governo para ir adiante. Segundo o diretor da ANP Nelson Narciso, presente aoevento, as mudanças regulatórias "estão andando" e a agência jáenviou para o Ministério de Minas e Energia sugestões demudanças feitas pela autarquia a agentes do setor, como oInstituto Brasileiro de Petróleo (IBP). "Temos absoluta consciência que há necessidade de se mexerna participação especial e estamos trabalhando nesse sentido",afirmou o diretor, referindo-se a uma das taxas cobradas dosprodutores de petróleo no país. (Reportagem de Denise Luna)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.