Chile reduzirá burocracia de exportação para suavizar impacto do câmbio

Exportadores têm reclamado que o fortalecimento do peso está minando a competitividade de seus produtos

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

21 de outubro de 2010 | 14h41

O governo chileno irá reduzir a burocracia os exportadores, a fim de melhorar a competitividade de seus produtos no exterior, suavizando os efeitos adversos provocados pela apreciação recente do peso, disse o ministro das Finanças, Felipe Larrain.

Com o peso próximo das máximas em 29 meses frente ao dólar, os exportadores têm reclamado que o fortalecimento do peso está minando a competitividade de seus produtos.

Atualmente, os exportadores têm de passar por 19 agências estatais para colocar seus produtos no exterior. O governo irá reduzir o número de processos e formulários exigidos dos exportadores, consolidando tais agências em uma única.

"Na média, o processo (burocrático) leva 21 dias para os exportadores. Teremos um adicional de US$ 600 milhões em exportação para cada dia de espera que conseguirmos eliminar", disse Larrain. O objetivo é reduzir o tempo de espera para dez dias, o que acrescentará "US$ 6 bilhões adicionais em exportações ao país", observou.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
Chileexportaçãocâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.