China aprova plano de reforma gradual de imposto para imóveis

Em abril, o gabinete da China recomendou às autoridades paraacelerar o estabelecimento de políticas fiscais que irão 'orientar asaquisições de imóveis e regulamentar os ganhos pessoais a partir daspropriedades'

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

31 de maio de 2010 | 11h28

O Conselho de Estado da China aprovou um plano para reformar gradualmente o sistema de impostos do setor imobiliário, disse o governo em nota distribuída em seu site nesta segunda-feira. A aprovação para a reforma é parte de um plano econômico geral para aprofundar a reforma do sistema de impostos elaborado pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês). A nota não traz detalhes.

No início de abril, o gabinete da China recomendou às autoridades para acelerar o estabelecimento de políticas fiscais que irão "orientar as aquisições de imóveis e regulamentar os ganhos pessoais a partir das propriedades". Desde então, o governo central tem implementado uma série de medidas generalizadas de aperto para evitar uma rápida elevação dos preços no setor imobiliário.

Nos meses recentes, a imprensa local tem especulado sobre as várias formas consideradas pelo governo de aplicação de imposto sobre as propriedades, incluindo um imposto sobre a propriedade ao estilo norte-americano, que é baseado no valor de mercado das propriedades, para expandir a abrangência do atual imposto coletado de acordo com o preço original do imóvel.

Com base na nota divulgada nesta segunda-feira, o NDRC está propondo mudança no atual imposto sobre os imóveis, que atualmente é recolhido das propriedades comerciais, mas pode ser ampliado para os imóveis residenciais. A mídia local também informou recentemente que Xangai pode ser a primeira cidade a implementar o imposto sobre determinados imóveis, para esfriar os preços do segmento na cidade.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaimóveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.