China e Rússia vão investir US$ 5 bilhões em refinaria

Refinaria deverá processar petróleo bruto da Rússia e do Oriente Médio

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de setembro de 2010 | 12h10

A China e a Rússia concordaram em investir cerca de US$ 5 bilhões em uma refinaria de petróleo conjunta na cidade chinesa de Tianjin, fortalecendo os laços entre os dois países no setor de energia. A refinaria - uma joint venture entre a China National Petroleum Corp. (CNPC), com 51% de participação, e a russa Rosneft, com 49% - terá capacidade de 260 mil barris diários, segundo um porta-voz do vice-primeiro-ministro russo Igor Sechin.

A refinaria deverá processar petróleo bruto da Rússia e do Oriente Médio. O acordo foi fechado em uma reunião entre Sechin e o vice-primeiro-ministro chinês, Wang Qishan, e confirma informações recebidas pela Dow Jones na semana passada.

A refinaria vai comprar 183 mil barris de petróleo bruto por dia de companhias russas a preços do mercado à vista, segundo o porta-voz. As entregas vão se somar aos 15 milhões de toneladas de petróleo bruto que a Rússia concordou em fornecer à China por ano durante 20 anos, sob um acordo de troca de petróleo por empréstimos fechado em abril de 2009. O restante do petróleo será comprado do Oriente Médio.

A Rosneft afirmou que a refinaria estará concluída em 2015 e vai produzir combustíveis motores e gás liquefeito, bem como petroquímicos. Além da refinaria, a joint venture planeja desenvolver uma rede de postos de combustível de varejo.

A Rosneft e a CNPC chegaram a um acordo inicial em 2007 para construção da refinaria em Tianjin. As duas partes originalmente planejavam uma refinaria de 200 mil barris diários, mas decidiram aumentar a capacidade em razão da crescente demanda por petróleo na China.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaRússiaTianjinenergiarefinaria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.