China estuda modos de elevar importações de commodities

Uma agência estatal também reconheceu que há rumores de que o governo avalia diminuir as tarifas de importação de soja e óleo de soja.

Gabriela Mello, da Agência Estado,

18 de fevereiro de 2011 | 08h02

A China estuda vários modos de elevar as importações de commodities, incluindo produtos alimentícios, informou nesta sexta-feira uma autoridade do Ministério de Comércio do país. A iniciativa surge após uma importante agência estatal de grãos ter reconhecido rumores de mercado de que o governo chinês também avalia diminuir as tarifas que incidem sobre as importações de soja e óleo de soja.

"A China está definitivamente tentando ver se podemos adotar as políticas adequadas para ampliar nossas importações", disse a fonte, que pediu para não ser identificada.

Ainda que a autoridade tenha se recusado a comentar especificamente sobre se uma redução dos tributos está sendo avaliada, o Centro de Informação de Óleos e Grãos da China (CNGOIC, na sigla em inglês) se referiu em um relatório a possíveis deliberações sobre dois importantes produtos agrícolas. "Há especulação no mercado de que o governo vai baixar as taxas de importação da soja e do óleo de soja", informou o órgão.

Pequim estaria ponderando um corte do tributo aplicado às importações da soja de 3% para 1% e do óleo de soja de 9% para 5%, disse um analista da Shanghai JC Intelligence Co. As informaçõe são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacommoditiesimportação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.