China limita crédito para investimento em ativos fixos até fim do mês

Medida segue-se a um forte aumento nos empréstimos por bancos locais em novembro, para US$ 5,4 bilhões, mais de sete vezes acima do valor registrado no mesmo mês do ano passado

Danielle Chaves, da Agência Estado,

16 de dezembro de 2010 | 09h39

O órgão regulador do sistema bancário da China ordenou os bancos incorporados em Xangai a não fazerem empréstimos para investimentos em ativos fixos durante o restante deste mês, afirmaram duas pessoas próximas ao assunto.

A diretriz da filial da Comissão Regulatória Bancária da China (CBRC, na sigla em inglês) em Xangai segue-se a um forte aumento nos empréstimos por bancos locais em novembro, para 36,1 bilhões de yuans (US$ 5,4 bilhões), mais de sete vezes acima do valor registrado no mesmo mês do ano passado.

Além disso, nesta semana a CBRC ordenou que os bancos forneçam mais crédito para a economia real, especialmente para companhias relacionadas à agricultura e pequenas e médias empresas. O órgão afirmou que vai "impedir decisivamente" a cooperação imprópria entre bancos e instituições financeiras não bancárias, como companhias fiduciárias.

Na terça-feira um pesquisador do governo chinês afirmou que os bancos do país provavelmente vão conceder cerca de 7,6 trilhões de yuans em novos empréstimos neste ano, levemente mais do que a meta de 7,5 trilhões de yuans.

Os bancos afetados incluem Bank of Communications, Shanghai Pudong Development Bank e Bank of Shanghai, além de bancos estrangeiros incorporados em Xangai, como HSBC e Hang Seng Bank, segundo as fontes.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaXangaiativos fixosinvestimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.