China não deve mudar política monetária apesar de falta de crédito

BC chinês e aliados rebateram críticas de que política monetária seria a responsável pela falta de crédito corporativo no país

Danielle Chaves, da Agência Estado,

29 de junho de 2011 | 11h42

O Banco do Povo da China (PBOC, banco central do país) e seus aliados responderam às críticas sobre a política monetária dizendo que não mudarão seu curso e que ela não é culpada pela falta de crédito corporativo.

Perguntado se o PBOC deveria mudar sua política monetária apertada diante da desaceleração do crescimento econômico, o consultor da instituição, Li Daokui, afirmou que as políticas de controle macroeconômico não devem e não serão alteradas. "A desaceleração moderada no crescimento econômico é apropriada" pois é resultado de uma reestruturação econômica, disse Li durante um fórum sobre economia.

Wang Daxian, economista da filial de Shanxi da Administração Estatal do Câmbio Externo (Safe, na sigla em inglês), um braço do PBOC, também combateu as críticas. Em um artigo publicado no Shanghai Securities News, Wang afirmou que o PBOC não é a raiz da falta de crédito para pequenas e médias empresas e disse que a oferta de crédito é apropriada.

Pequenas empresas têm se queixado de que estão sendo particularmente prejudicadas pelas políticas do PBOC porque normalmente são as últimas na linha para crédito no setor bancário estatal. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.