China: oferta de óleos vegetais deve superar consumo em 2004/05

São Paulo, 29 - O consumo de óleos comestíveis na China deve crescer 5% na safra 2004/05, para 19,14 milhões de toneladas, mas a oferta também aumentará no período, pressionando as cotações do produto, de acordo com pesquisa sobre o setor de óleos e oleaginosas da China realizada pela Shanghai Pansun Information & Technology Co., proprietária do site de consultoria www.epansun.com. Segundo a companhia, o consumo de óleos comestíveis em 2003/04 (outubro/setembro) foi de 18,2 milhões de t. A expectativa da Pansum é de que a oferta, excluindo os estoques do ano anterior, também aumente em 2004/05 para 20,76 milhões de t, 10% maior que os 18,87 milhões de t no ano safra anterior. O aumento da oferta chinesa somada à recuperação da produção global de oleaginosas nos próximos meses deverá pesar sobre o mercado doméstico, diz a empresa. "O mercado de óleo chinês será pressionado em 2004/05. E o sentimento do mercado não é muito otimista", afirma a companhia em seu relatório. As importações de óleos comestíveis devem ter ligeira queda de 6,66 milhões de t para 6,56 milhões de t; enquanto as de óleo de soja devem ter um declínio de 19% para 2,2 milhões de t. Esta queda do óleo de soja já era esperada por conta do aumento da produção doméstica da commodity, que deve aumentar junto com melhora na capacidade de esmagamento. As importações de óleo de palma são estimadas em 3,96 milhões de t em 2004/05, aumento de 11% sobre os 3,575 milhões de t do ano anterior. Desse total, cerca de 2,4 milhões serão de oleína de palma. As compras de canola devem se manter em torno de 400.000 t. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.