China planeja reduzir estoques de minério de ferro em portos

A China planeja reduzirestoques recordes de minério de ferro em seus portos, afirmaramfontes da indústria nesta terça-feira. O plano pode ajudar areduzir os preços domésticos e fortalecer o poder de barganhado país diante de mineradoras australianas. Representantes do setor afirmam que os estoques de minériode ferro em portos chineses subiram para cerca de 62 milhões detoneladas no final de abril, com importações do mês passadoalcançando 42,85 milhões de toneladas, maior nível mensal járegistrado. "O congestionamento nos portos são severos. Não há espaçopara minério de ferro nos portos", informou um operador deminério de ferro em Pequim. "Os estoques nos portos são osmaiores na história." Pequim está considerando aumentar as tarifas dearmazenagem, introduzir um tempo limite para que o minério deferro fique nos portos e exigir de siderúrgicas que adiemcarregamentos de minério para junho para a redução dos estoquesnos portos, disseram fontes da indústria. "Para aqueles carregamentos de minério de ferro que aindaestão esperando para desembarcar no porto o governo vai paraque sejam descarregados em armazéns fora dos portos e passarpela alfândega", informou um operador de uma corretora estatal. Representantes do governo não estavam imediatamentedisponíveis para comentar o assunto. Uma torrente de minério estocado nos portos para o mercadodoméstico deve levar a uma redução nos preços no mercado àvista em um momento em que siderúrgicas chinesas e asmineradoras australianas BHP Billito e Rio Tinto negociampreços de contrato da commodity. "Isso não se trata de tarifas de frete. Isso se trata de aChina comprar minério de ferro em termos à vista ou sobcontrato", disse uma fonte de uma corretora internacional quepediu para não ser identificada. "Certamente, Pequim quer ver esse material sendo liberadopara o mercado aberto, mas o pensamento é de longo prazo. Ogoverno está ficando frustrado que empresas independentesestejam fazendo ofertas no mercado à vista, causando alta nospreços e dando às mineradoras australianas maior justificativapara contratos com preços elevados." Uma redução no volume de embarcações que fazem fila paraatracar nos portos também pode gerar uma queda nas tarifasrecordes de frete, um dos principais argumentos usados pelasmineradoras australianas para exigir preços maiores para seuminério em relação ao fornecido pelo Brasil. (Reportagem adicional Nick Treventhan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.