China proíbe biscoito dos EUA em represália a recall

País afirma que produto, fabricado pela Campbell Soup, contém níveis elevados de alumínio

Efe,

15 de agosto de 2007 | 08h34

A China proibiu nesta quarta-feira, 15, a importação de três tipos de biscoitos de uma subsidiária da empresa americana Campbell Soup, argumentando que tem níveis elevados de alumínio, enquanto no resto do mundo continuam a ser retirados do mercado brinquedos fabricados no país.   Veja também: Consumidor receberá dinheiro de volta   A Administração Estatal de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena assegurou que tinha encontrado níveis perigosos deste metal em 3,6 toneladas de biscoitos produzidos pela empresa indonésia PT Arnott's, subsidiária da Campbell.   Segundo a administração, os biscoitos têm níveis de alumínio de entre 280 e 320 partículas por milhão, quando o permitido são 100.   A Arnott's, empresa australiana adquirida pela Campbell em 2001, tem fábricas em Indonésia, Papua Nova Guiné, Nova Zelândia e China, onde possui instalações em Cantão e Xangai.   A Indonésia é um dos países que começaram a retirar alguns produtos chineses dos mercados.   Um responsável do órgão estatal, citado pela agência de notícias Xinhua, afirmou que os biscoitos proibidos na China foram interceptados antes de serem etiquetados em mandarim e, por isso, não chegaram aos mercados.   Segundo a nota oficial, o alumínio em níveis elevados pode causar problemas gastrointestinais, anemia ou até mesmo perda de memória.   A administração estatal ordenou o aumento das inspeções de qualidade de alimentos procedentes da Indonésia e pediu aos importadores que especifiquem com clareza aos produtores do arquipélago seus requisitos de saúde, para evitar novas sanções.   A China costuma responder com este tipo de medidas às ações tomadas contra suas empresas em outros países, como as que nos últimos dias atingiram a indústria de brinquedos chinesa.   A Mattel, o maior fabricante mundial de brinquedos, anunciou na terça-feira a retirada do mercado de nove milhões de brinquedos defeituosos fabricados na China por conter excesso de chumbo em suas pinturas.   Há apenas dez dias uma das filiais da Mattel, a Fisher Price, também ordenou a retirada de mais de um milhão de brinquedos, pelo mesmo motivo, e em julho houve um incidente quase idêntico que envolveu outra sócia chinesa de uma companhia americana, a RC2.   O chefe de uma das companhias que fabricaram alguns dos brinquedos da Mattel retirados do mercado apareceu enforcado no fim de semana passado.   Quase 80% dos brinquedos para a exportação produzidos pelas empresas chinesas têm os Estados Unidos como destino, e, segundo Pequim, as firmas nacionais cumprem os padrões impostos por suas parceiras americanas por contrato.

Tudo o que sabemos sobre:
Mattelrecallbrinquedo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.