China retoma negociação de futuros de óleo combustível

Pequim, 25 - A China, segundo maior país consumidor de petróleo, retomou hoje a negociação de futuros de óleo combustível após uma interrupção de dez anos, oferecendo uma forma para as empresas se protegerem da escalada dos preços da commodity. A retomada também deve abrir caminho para a negociação de derivativos. Hoje, o contrato de janeiro, o mais ativo, subiu 4%, para 2.184 iuanes (US$ 263,90) por tonelada na Bolsa de Futuros de Xangai. O volume negociado foi pesado, atingindo 91.528 lotes. Segundo analistas, algumas companhias que têm feito operações com futuros em Cingapura devem voltar para o mercado chinês. Se essa migração se confirmar, Xangai poderá, eventualmente, assumir a tarefa de estabelecer os benchmarks regionais, ocupando o lugar que é atualmente do mercado de Cingapura. Segundo operadores, ainda é muito cedo para traçar esse cenário. No entanto, a retomada representa mais um passo das reformas conduzidas pelo país para ressuscitar o mercado de derivativos. A Bolsa de Xangai iniciou a negociação de futuros de algodão no início do ano e pretende fazer o mesmo para o milho em setembro. As informações são de agências internacionais. (Patricia Lara)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.