China sugere que pode acelerar apreciação do yuan

Segundo subsecretário do Tesouro dos EUA, presidente chinês sugeriu que pode ampliar os critérios que usa para estabelecer a taxa de câmbio

Renato Martins, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 14h54

O subsecretário do Tesouro dos EUA para Assuntos Internacionais, Lael Brainard, disse que a China sugeriu, durante a visita do presidente Hu Jintao a Washington, esta semana, que poderá ampliar os critérios que usa para estabelecer a taxa de câmbio, o que indica a possibilidade de uma valorização do yuan.

Segundo Brainard, a delegação chinesa não usou uma frase frequentemente repetida em conversações oficiais, sobre a necessidade de "manter a estabilidade num nível de equilíbrio", mas fez referências a relação entre o câmbio e "o objetivo mais amplo de transformar seu modelo de desenvolvimento econômico".

Discursando durante conferência promovida pelo Conselho de Relações Exteriores, em Nova York, Brainard observou que "a liderança chinesa, em seu nível mais alto, está comprometida com essa via, porque vê a mudança em sua política cambial como parte de sua própria reestruturação econômica".

Presidente chinês encerrou nesta sexta-feira visita oficial aos EUA (Foto: Jim Young/Reuters)

Para o estrategista Chris Turner, da ING Financial Markets em Londres, "se Brainard está certo ao apontar que isso é uma mudança sutil de política, ela pode estar sugerindo que veremos uma fixação mais agressiva de um yuan mais firme diante do dólar. Mas vamos julgá-los mais por seus atos do que pelas palavras".

Nos últimos seis meses, o yuan subiu 3,5% frente ao dólar. Traders do mercado de moedas estimam que o Tesouro dos EUA gostaria de ver o yuan valorizando-se em 1% por mês diante do dólar, de cerca de 0,5% por mês atualmente. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaEUAcâmbioyuanvalorização

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.