China vai ampliar limites à compra de imóveis para mais cidades

Objetivo seria frear o aumento dos preços, segundo jornal 'Chongqing Evening'

Danielle Chaves, da Agência Estado,

24 de janeiro de 2011 | 10h01

A China vai ampliar os limites para compra de imóveis para mais cidades do país, com o objetivo de frear o aumento dos preços, informou o jornal Chongqing Evening no domingo, citando fonte com conhecimento do assunto.

Em uma reunião fechada, uma autoridade do Ministério de Residências e Desenvolvimento Urbano-Rural da China afirmou que foi elaborada uma lista de cidades que terão de impor limites sobre a compra de imóveis. Segundo a reportagem, as cidades de Qindao e Jinan e algumas nas províncias de Shaanxi e Guangxi confirmaram que irão impor limites às compras.

O movimento segue-se a regras que restringiram o número de casas que uma pessoa pode ter. A lei foi imposta no ano passado para as maiores cidades da China, como Pequim, Xangai, Shenzhen, Xiamen e Guangzhou.

As ações de cidades individuais somam-se a medidas tomadas pelo governo central para esfriar o setor imobiliário chinês, à medida que os preços das residências sobem e impedem que muitas pessoas comprem casas, levantando preocupações com uma instabilidade social.

Os preços dos imóveis em 70 cidades de grande e médio porte da China aumentaram 0,3% em dezembro, na comparação com novembro, e cresceram 6,4% em relação a dezembro de 2009. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinapreçosimóveisinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.