Chineses assumem operações da Chery no Brasil

Vinda dos executivos está relacionada à construção da fábrica brasileira da montadora, em Jacareí (SP)

Rodrigo Petry, da Agência Estado,

27 de março de 2012 | 15h37

SÃO PAULO - A montadora chinesa Chery passa a contar com uma equipe de executivos da matriz para comandar as operações de venda de veículos no Brasil. Até então, os carros eram comercializados no País por meio de uma importadora, a Venko. A vinda dos executivos está relacionada à construção da fábrica brasileira da Chery, em Jacareí (SP), que será a primeira da montadora com todas as etapas do processo produtivo realizado fora da China. A capacidade de produção prevista é de 50 mil veículos a partir da inauguração da fábrica, programada para o final de 2013. Os investimentos totais da Chery no Brasil deverão somar US$ 400 milhões.

"Trouxemos nossos executivos para sincronizar os padrões da companhia com o crescimento do mercado brasileiro, que se assemelha ao que acontece na China", disse o presidente de operações internacionais e vice-presidente global da Chery, Zhou Biren. O novo presidente da Chery no Brasil será Kong Fan Long; o vice-presidente, Du Weiqiang; o vice-presidente e diretor industrial, Wu Dejun; e o CEO e diretor comercial, Luis Curi.

Segundo Biren, a fabricação está de acordo com a exigência do governo brasileiro de 65% de conteúdo nacional na produção dos veículos. "A ideia é atender as leis brasileiras", afirmou.

O executivo global da Chery afirmou que, independente da iniciativa tomada pelo governo brasileiro no final do ano passado de elevar em 30 pontos porcentuais o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros importados sem maior parcela de conteúdo nacional, a construção da fábrica sempre esteve nos planos. "Mesmo com o IPI, temos confiança no Brasil", afirmou.

Porém, Biren não esconde a preocupação com a medida do IPI, que reduziu pela metade a projeção de vendas de veículos da Chery, por meio de importação, este ano no País, de 60 mil para 30 mil. "Gostaríamos de uma flexibilização, já que estamos construindo uma fábrica no Brasil. Acreditamos que alguma medida (sobre IPI) possa sair em breve", afirmou.

No ano passado, as vendas no mercado brasileiro somaram 22 mil unidades, ante 7,6 mil de 2010. No total, a Chery conta com 105 revendedoras no País, que passaram a ser atendidas diretamente pela equipe comercial da montadora chinesa no Brasil. Até o final deste ano, este número de revendedoras deverá saltar para 150.

Por meio da fábrica no Brasil, que quando estiver funcionando plenamente, em três turnos, terá capacidade para produzir 150 mil veículos, a Chery quer se beneficiar dos acordos comerciais com o Mercosul (Argentina, Uruguai e Paraguai) e com o México para exportar a estes países.

Até o final de 2013, a linha de montagem contemplará um modelo, e depois dois no ano seguinte, devendo chegar a três. Os aportes na primeira fase, até dezembro de 2013, somarão US$ 200 milhões. Hoje, a empresa comercializa no Brasil os modelos Face, Cielo (hatch e sedã), Tiggo, QQ e S18, todos importados.

No mercado brasileiro, a montadora chinesa busca atingir uma fatia de mercado de 3% até 2015, quando a fábrica em Jacareí estiver funcionando plenamente. No entanto, as vendas no Brasil deverão incluir ainda a importação de veículos produzidos pela montadora no Uruguai e originários da China.

Atualmente, a fatia de mercado encontra-se em 0,66% no Brasil, mas a previsão é encerrar este ano em 0,75%. A intenção da companhia é também passar a oferecer linhas de financiamento próprio para a aquisição dos veículos pelos consumidores.

Autopeças

No mesmo terreno onde será construída a fábrica da Chery, com um total de 1 milhão de metros quadrados, está prevista a instalação de um parque industrial, destinado ao fornecimento de peças à montadora. "Imaginamos que algumas linhas de peças comecem a ser produzidas simultaneamente com a inauguração da fábrica (em dezembro de 2013)", disse.

Segundo Biren, fornecedores brasileiros e chineses, entre os quais alguns parceiros globais da Chery, devem se instalar na área do parque industrial, que ocupará cerca de 500 mil metros quadrados. Algumas empresas devem começar a prospecção ao Brasil a partir da metade deste ano.

O executivo global da Chery informou ainda que a empresa poderá investir num centro de pesquisa e desenvolvimento no Brasil. "Isso ocorrerá, dependendo das nossas necessidades", afirmou. Já a prefeitura de Jacareí está fechando convênio com uma universidade na região para o ensino do mandarim aos futuros funcionários da montadora. A construção da fábrica começou no mês passado e encontra-se atualmente na fase de terraplenagem.

No ano passado, a Chery vendeu 643 mil unidades no mundo, das quais 160 mil foram destinadas à exportação. A empresa atua em 80 países com 13 unidades produtivas fora da China, porém por meio do modelo apenas de montagem (CKD).

Tudo o que sabemos sobre:
automóveisCheryBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.