Chineses participarão mais em fusões na AL, diz estudo

Empresas chinesas passarão a investir mais na América Latina, com destaque para Argentina e Brasil. É o que aponta uma análise do Transactional Track Record (TTR) divulgada nesta segunda-feira.

MALENA OLIVEIRA, ESPECIAL PARA AGÊNCIA ESTADO, Agencia Estado

26 de maio de 2014 | 17h40

O estudo mostra que 10 operações de fusões e aquisições foram feitas por essas companhias em países sul-americanos em 2014, ante as 17 transações registradas no ano passado, que teve sete a mais do que em 2012. Os setores automobilístico, imobiliário e de tecnologia se destacam.

A tendência de crescimento no número de processos é atribuída a uma lei promulgada na China no início do mês. Em vigor desde o último dia 8, ela isenta de análise completa pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês) os acordos de compra e venda com valor abaixo de US$ 1 bilhão. Antes da lei, esse valor era de US$ 100 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.