Vivo
Vivo

'O 5G vai mudar a saúde, a educação e o entretenimento', diz presidente da Vivo

Christian Gebara analisa mudanças e efeitos do novo sistema, que começa a ser instalado no Brasil

Entrevista com

Christian Gebara

Sonia Racy, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2022 | 05h00

  

Maior rede de telefonia do País, com 99 milhões de acessos, a Vivo divide seus esforços, no momento, em dois projetos de peso. Um deles, a implantação do sistema 5G – que começou em dezembro, em rede compartilhada em São Paulo, Rio e Brasília, e entra em fase decisiva em julho. O outro é a integração, de parte do “pacote” da Oi que ela adquiriu em leilão por algo como R$ 5,5 bilhões. Para o CEO da empresa, Christian Gebara, trata-se de uma diversificação do core business da empresa e de sua relação com os assinantes. Em especial o 5G, adverte, “vai mudar a saúde, a educação, o entretenimento”, entre outras coisas.

No início, esse impacto “será mais na internet das coisas”, diz ele nesta entrevista a Cenários. “Na indústria, na agricultura, no varejo, nas cidades inteligentes.” Bacharel pela FGV e graduado em Stanford, com passagens pelo Citibank e pelo JP Morgan em Nova York, Gebara alerta que o Brasil tem ainda “uma corrida do 4G para superar”, na qual “pode reduzir o gap social do País”. A seguir, os melhores trechos da conversa.  

 

Nessa pandemia ouviu-se muito pouco sobre investimentos na área de telefonia. Foi isso mesmo?

Não. Acho que, pelo contrário, o setor teve grande movimentação – e respondeu com um serviço de qualidade. De uma hora pra outra, todo mundo foi pra casa, usou internet de forma permanente, as crianças estudando, os pais trabalhando, o entretenimento era por vídeo, tudo ao mesmo tempo e as redes deram resposta à altura. E no caso da Vivo entramos em processo final de compra da Oi Móvel – entre Vivo, Claro e Tim.

Na prática, o que essa aquisição significou?

Que estamos comprando as torres, os clientes e as frequências. No nosso caso, um valor aproximado de R$ 5,5 bilhões. Criamos uma rede de fibra neutra com o fundo canadense CDPQ. Entramos no leilão do 5G, o maior da história do Brasil, e compramos todas as frequências disponíveis com um investimento também milionário, mais R$ 4,5 ou 5,0 bilhões. Foram dois anos intensos, coisa de R$ 8 ou R$ 9 bilhões. 

Compraram mas ainda não levaram, né?

A frequência principal do 5G é o 3.5. A gente deve ter essa liberação em breve. 

O que falta pra liberar?

Há uma certa interferência com as parabólicas, tem de ser feita uma limpeza para que elas possam ser usadas no 5G. A expectativa é que a tenhamos até junho. O pagamento já começamos, pra poder levar o 5G no 3.5 até fim de julho. 

Como o 5G vai beneficiar um celular?

Primeiro, ele tem mais velocidade. E também tem latência, que é a resposta na hora, diferente de quando você aperta teclas e fica esperando... E permite vários dispositivos conectados ao mesmo tempo.

Ele também vai acelerar o uso da chamada internet das coisas. Pode explicar?

Sim, e no início o impacto será mais nessa área. Na indústria, na agricultura, no varejo, nas cidades inteligentes. E com o tempo vão surgir outras funcionalidades. Na saúde, talvez a gente possa ter cirurgias remotas, o cirurgião movimentando aparelhos a distância. 

Já tem gente até falando em 6G. Como ele seria?

É muito cedo pra se falar nisso. Ainda temos, no Brasil, uma corrida do 4G para superar. Ainda precisa de infraestrutura, de digitalização capaz de mudar a vida das pessoas. E a banda larga de ultravelocidade pode, sim, reduzir o gap social do País de um modo bem mais acelerado. 

Seria uma prioridade das empresas ou do governo?

Acho que de ambos. Mas primeiro tem de existir uma regulamentação. A legislação pra instalar antenas 5G vai exigir muito mais antenas e é preciso ter licença pra colocá-las. E tem também a questão de uma tributação de acordo. Na atual, o sujeito paga entre R$ 45 e R$47 de cada R$ 100 reais. 

E como fica a telefonia fixa? Vai desaparecer?

Não. O uso de telefonia fixa está caindo rapidamente, hoje dá menos de 10% das nossas receitas. Mas quando se fala de telefonia fixa se fala também de internet de ultravelocidade – e esse é o futuro. As receitas nessa área crescem 35% a 40% ao ano. Temos no País 20 milhões de domicílios que podem contratar o serviço Vivo Fibra. E temos quase 5 milhões de clientes em mais de 330 cidades.

Qual o seu balanço de tantos desafios em dois anos de pandemia?

A primeira tarefa foi manter um serviço ativo na hora em que todo mundo foi pra casa e o total de usuários aumentou muito. Mas deu certo o propósito de digitalização – no mundo da educação, na saúde, no entretenimento. A Vivo tem 60 milhões de clientes, que representam 100 milhões de acessos. Criamos a Vivo Pay, uma carteira digital, e a Vivo Money, uma plataforma de empréstimos. Planejamos distribuir um serviço Vivo da Telemedicina e acertamos com o grupo Anima lançar um serviço de educação, com cursos curtos pra ajudar na empregabilidade das pessoas.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.