Cielo vai trabalhar com bandeira de cartões Aura

A Cielo, que era credenciadora de estabelecimentos comerciais exclusiva da Visa, mas desde o dia 1º de julho trabalha com as bandeiras MasterCard e American Express, vai começar também a aceitar a bandeira Aura, que pertence à financeira Cetelem, do grupo francês BNP Paribas. Segundo o presidente da Cielo, Rômulo de Mello Dias, o objeto da empresa depois de mais de dez anos de contrato exclusivo com a Visa é ampliar o leque de clientes e fechar negócios também com bandeiras menores. "Já temos as três maiores do País", afirmou.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, Agencia Estado

06 Julho 2010 | 10h23

Mello conta que mal dormiu na noite de 31 de junho para 1º de julho, data que marcou a transição do mercado de cartões brasileiro para um ambiente sem exclusividade entre bandeiras e credenciadoras. A Cielo queria deixar tudo pronto para o comércio poder aceitar a bandeira MasterCard e Amex já nos primeiros negócios do dia. Segundo ele, as operações superaram as expectativas, tanto em número de transações nos terminais com cartões de outras bandeiras quanto na falta de problemas nas operações. "Todas as transações, de débito e crédito, foram processadas", disse ontem à noite o presidente da Cielo, em evento da revista Exame. De acordo com Mello, a empresa não vai divulgar números de operações neste primeiro momento.

A Cielo tem 1,7 milhão de estabelecimentos comerciais cadastrados. Já a Aura dá mais um passo para ampliar sua rede de aceitação no País. A bandeira já usa a rede da Redecard, graças a um acordo firmado em novembro de 2008. Entre os emissores da bandeira estão o site de comércio eletrônico Submarino e as redes Kalunga e Fast Shop.

A Redecard, principal credenciadora da MasterCard, divulgou que suas maquininhas fizeram no primeiro dia sem exclusividade 264 mil transações com a bandeira Visa. Na Cielo e na Redecard, os lojistas não precisaram trocar os terminais. Basta fazer a primeira transação que a máquina já fica habilitada a aceitar o cartão de outra bandeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.