Cigna compra HealthSpring por US$ 3,8 bilhões

Especializada em seguros de saúde para idosos, a HealthSpring tem cerca de 340.000 membros em 11 Estados e em Washington

Renan Carreira, da Agência Estado,

24 de outubro de 2011 | 13h34

A companhia americana de seguros de saúde Cigna assinou um acordo para adquirir, por US$ 3,8 bilhões, a HealthSpring, que vende seguros de saúde para idosos. A Cigna vai pagar US$ 55 por ação da HealthSpring, o que representa um prêmio de 37% sobre o preço de fechamento da ação da companhia na última sexta-feira.

A Cigna elevou a previsão de lucro por ação em 2011 para a faixa entre US$ 5,05 e US$ 5,30, da estimativa de US$ 4,95 a US$ 5,25 divulgada em agosto. A previsão exclui os impactos da aquisição da HealthSpring, disse a companhia em sua apresentação para a Securities and Exchange Comission (SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA). A previsão de alta inclui uma estimativa de crescimento da receita no terceiro trimestre de aproximadamente 6,5% e do lucro operacional ajustado a uma taxa ligeiramente superior ao aumento da receita.

O foco da HealthSpring é o Medicare Advantage, no qual idosos podem ter acesso ao Medicare por meio de empresas privadas e não do governo. O programa registrou um sólido crescimento nos últimos anos e analistas esperam que esse ritmo se mantenha. A companhia tem cerca de 340.000 membros Medicare Advantage em 11 Estados e em Washington, D.C.

A Cigna obteve um compromisso de financiamento-ponte (brigde financing) que, combinado com a liquidez disponível, é suficiente para custear a aquisição. A companhia pretende aumentar em cerca de 20% o preço da compra por meio da emissão de novas ações, com o saldo financiado a partir da emissão de dívida adicional e recursos internos de caixa. A estimativa é de que a aquisição aumente os ganhos da Cigna no primeiro ano completo de operações após o negócio ser fechado. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
segurosCignaHealthSpring

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.