Citros: tecnologia dá US$ 237 mi de "lucro" em 5 anos, calcula IEA

Bebedouro, 21 - Estudo do Instituto de Economia Agrícola (IEA) da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, divulgado hoje, aponta que o elo da cadeia citrícola entre o pomar e a indústria - produtor, colhedor e transportador - obteve um faturamento estimado de US$ 237 milhões entre 2000 e 2004 em relação ao qüinqüênio anterior, ou seja, de 1995 a 1999. De acordo com cálculos do pesquisador Antonio Ambrósio Amaro, o total faturado por esse elo da cadeia citrícola nos últimos cinco anos chega US$ 4,811 bilhões, ante uma renda de US$ 4,574 bilhões no período 1995-99. Amaro avalia ainda que cerca de 72% dessa renda vai para o citricultor e os 28% restantes são divididos entre colhedores e transportadores da fruta para a indústria. "Esse aumento só ocorreu graças ao aumento da tecnologia e à transferência das pesquisas para o campo", disse o pesquisador. "Se hoje existem problemas, a ciência caminha para trazer o País para um novo patamar tecnológico", completou. Dados do IEA utilizados no levantamento apontam que a produção de laranja no Estado de São Paulo em 2004-2005 deve ser de 361 milhões de caixas de 40,8 kg, e que o preço médio negociado com o produtor será de US$ 2,5 a caixa neste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.