Citrovita fecha unidade de Matão, interior de São Paulo

A Citrovita, empresa do Grupo Votorantim, anunciou o fechamento da unidade produtora de suco de laranja de Matão (SP) e a demissão de 173 funcionários. Do total de 192 empregados, 111 já foram dispensados, 62 irão trabalhar na companhia até maio e apenas 19 serão transferidos para outras unidades da empresa.

GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

29 de fevereiro de 2012 | 18h32

O anúncio ocorre dois meses e meio após o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovar a fusão da Citrovita com a Citrosuco, ocorrida em maio de 2010 e ratificada pelo órgão de defesa econômica em 14 de dezembro de 2011. Agora sócia da Citrovita na produção de suco de laranja, a Citrosuco tem uma unidade com 800 funcionários na mesma cidade paulista.

A Citrovita informou, em uma nota curta, que "em função das previsões quanto ao tamanho da próxima safra de laranja, decidiu promover uma reestruturação na unidade industrial de Matão, que não irá operar no processamento da safra 2012/2013". Apesar da justificativa da empresa, até o momento nem indústrias e nem o governo divulgaram estimativas de produção na

próxima safra, cujo início ocorre entre junho e julho.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação de Matão, Nelson Joaquim da Silva, afirmou que "não acredita na versão da Citrovita" para o fechamento da unidade. "Isso é um reflexo da fusão com a Citrosuco, aprovada pelo Cade", disse.

A empresa anunciou ontem ao sindicato um pacote de benefícios aos empregados demitidos, que consiste no pagamento, além das verbas rescisórias, de mais um salário para os que tiverem até 10 anos de empresa e de mais dois salários para os restantes.

Segundo o sindicalista, a Citrovita informou que irá manter o vale-alimentação por 90 dias, mas que não irá manter o convênio médico dos ex-funcionários. "Disseram que cada funcionário que precisar de atendimento médico para consultas ou cirurgias já marcadas terá de procurar a empresa, que irá avaliar caso a caso", explicou Silva.

Histórico

O fechamento de unidades processadoras de suco de laranja no interior paulista ganhou força com o processo de concentração no setor, iniciado em 2004, com a aquisição das unidades da Cargill pela Citrosuco e pela Cutrale. Em fevereiro de 2009, a Citrosuco fechou a planta de Bebedouro (SP) adquirida da multinacional e demitiu 208 funcionários.

Em 17 de maio de 2010, após o anúncio da operação de fusão entre Citrosuco e Citrovita, o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação de Matão, José Roberto de Souza, já previa o destino de uma das duas unidades das empresas na cidade paulista. "Temos claro que uma das unidades irá fechar, porque não vai fazer sentido ter duas

fábricas em uma mesma cidade", disse ele na época.

Segundo os sindicalistas, o clima dos empregados no setor é de medo de novas demissões. Além da unidade da Citrosuco, com 800 funcionários, Matão sedia ainda uma planta de suco de laranja da Louis Dreyfus Commodities (LDC). Citrosuco e Citrovita possuem ainda fábricas muito próximas em, respectivamente, Limeira e Araras, também no Estado de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.