CMN aprova financiamento alongado para custeio da soja

Brasília, 28 - O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou hoje mecanismo que permite o financiamento alongado para o custeio da soja da safra 2004/05. Com isso, os produtores que financiarem o plantio de soja poderão quitar o financiamento em cinco parcelas, sendo a primeira 60 dias após a colheita. Os produtores que já buscaram financiamento também serão incluídos nessa regra, explicou o assessor para assuntos agrícolas do Ministério da Fazenda, Gerardo Fontelles. Ele disse que o governo autorizou o custeio alongado porque as condições para a comercialização da safra não são tão favoráveis para os produtores de soja. "Com o custeio alongado os produtores não terão que vender a safra de uma vez só", afirmou. Outro voto analisado e aprovado pelo CMN foi para que bancos cooperativos e agências de fomento ligados aos BNDES possam operar o crédito rural. Hoje o BNDES só tem autorização para operar linhas de investimento. O assessor avaliou que a autorização favorece principalmente os pequenos agricultores, pois nos municípios distantes os bancos cooperativos poderão oferecer linhas de crédito. "Daremos mais capilaridade ao sistema do crédito rural", disse. Em relação à unificação das taxas de juro do Moderinfra, programa destinado à irrigação e armazenagem, Fontelles disse que o assunto não foi discutido na reunião de hoje do CMN. De acordo com o assessor, o Ministério da Fazenda avalia que não há necessidade de uma taxa única para esses empréstimos. O Ministério da Agricultura defendia que a taxa de juros do Moderinfra fosse uma só, de 8,75% ao ano. Hoje são duas taxas, uma de 8,75% e outra de 10,75%, dependendo do valor do financiamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.