CNA diz que linhas de crédito oficiais não atendem demanda

Brasília, 16 - As linhas de crédito rural com juro equalizado de 8,75% oferecidas pelo governo são insuficientes para atender a demanda do setor agropecuário. A conclusão é do Projeto Conhecer, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), realizado entre os meses de julho e agosto. O estudo aponta ainda que a falta de financiamento pode reduzir o plantio na safra 2004/05. Foram ouvidos 3.160 produtores de todo o País e 86% deles disseram que precisam recorrer a financiamentos oficiais para plantar e comercializar a safra. Do total de entrevistados, 62% disseram que conseguem menos da metade do que precisam para financiar a produção e acabam sendo obrigados a recorrer a linhas de crédito com juros de mercado. De acordo a pesquisa da CNA, 29% dos produtores devem reduzir a área plantada em relação à safra 2003/04, caso não consigam financiamento com taxas equalizadas. A pesquisa também mostrou que somente 10% dos produtores têm acesso a mais de 90% dos recursos de que precisam para custeio com crédito oficial. "A consulta mostra como são importantes as linhas de financiamento com juros equalizados para a agropecuária. Fazer com que o setor trabalhe com linhas a juros de mercado pode levar produtores a um novo ciclo de endividamento", disse o presidente da Comissão Nacional de Crédito Rural da CNA, Carlos Sperotto. A pesquisa da CNA também verificou quais são as linhas de financiamento mais procuradas pelos produtores. Em primeiro lugar está o Moderfrota, citado por 42% dos entrevistados. Desse total, 49,02% tiveram pedido de crédito negado pelos bancos. Outra linha citada pelos produtores é a Proflora. Dos 65 produtores que buscaram essa linha de financiamento, 57 tiveram o pedido negado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.