Com a inflação, vendas em supermercados caem 0,5%

'O preço está inibindo as compras nos supermercados. Como a população não pode deixar de comer, o que há são substituições por marcas mais baratas', diz IBGE

Fernanda Nunes, da Agência Estado,

13 de junho de 2013 | 09h48

RIO - A inflação está afetando as vendas nos hiper e supermercados, grupo que manteve a trajetória de queda em abril, comparado ao mês anterior. A taxa foi de -0,5%, queda menos acentuada, entretanto, do que a de março (-2,1%) e do que a de fevereiro (-1,5%).

A inflação da alimentação no domicílio em abril foi de 1,1%, considerando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

"O preço está inibindo as compras nos supermercados. Como a população não pode deixar de comer, o que há são substituições por marcas mais baratas. Isso pode estar afetando a receita", afirmou o gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Reinaldo Pereira.

Dólar

Pereira afirmou que, "caso a valorização do dólar continue, o quadro inflacionário no País irá piorar e terá repercussão no comércio varejista". Para ele, a alta dos preços já está influenciando o desempenho das vendas em alguns setores.

Entre os segmentos que são afetado pela alta do dólar, ele apontas os de hiper e supermercados, de eletrodomésticos, de informática e comunicação, e de tecidos, vestuário e calçados. Além disso, Pereira ressalta que a alta da taxa básica de juros (Selic) tem influência nas vendas, como de automóveis. "Tudo que tem reflexo no crédito vai influenciar", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.