Com alta dos alimentos, inflação oficial acelera 0,92% em março

IPCA registrou em março a maior taxa em 11 anos, informou o IBGE; em 12 meses, alta é de 6,15%

Economia & Negócios e Daniela Amorim, da Agência Estado,

09 de abril de 2014 | 09h00

SÃO PAULO - A inflação oficial do País acelerou em março. No mês passado, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 0,92%, porcentual acima da taxa de 0,69% registrada no mês de fevereiro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esta é a maior taxa referente a março desde 2003, quando o IPCA atingiu 1,23%. A inflação também registrou em março a maior taxa desde abril de 2003, ressaltou a coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos. A variação de março repetiu o resultado verificado em dezembro de 2013 (também de 0,92%) e foi a maior variação verificada desde abril de 2003, quando a taxa ficou em 0,97%.

O resultado ficou perto do teto do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado, que iam de 0,78% a 0,93%, com mediana de 0,85%.

No ano, o IPCA acumulou uma alta de 2,18%. Como resultado, a taxa acumulada em 12 meses acelerou de 5,68% em fevereiro para 6,15% em março, aproximando-se mais do teto da meta estipulada pelo governo, de 6,5%. O indicador em 12 meses atingiu o maior patamar desde julho do ano passado, quando estava em 6,27%.

Alimentos. O salto nos preços dos alimentos foi responsável por mais da metade da taxa do IPCA em março. O grupo Alimentação e Bebidas registrou um aumento de 1,92%, o equivalente a uma contribuição de 0,47 ponto porcentual ou 51% da variação de 0,92% do IPCA no mês.

A estiagem prejudicou as lavouras, impulsionando o preço de produtos importantes na cesta básica do consumidor. O tomate ficou 32,85% mais caro no mês. A batata inglesa subiu 35,05%, o feijão-carioca aumentou 11,81%, e hortaliças e verduras tiveram elevação de 9,36%. Em fevereiro, o grupo Alimentação e bebidas tinham registrado uma alta de 0,56%.

O grupo Transportes registrou uma alta de 1,38% em março, o equivalente a uma contribuição de 0,26 ponto porcentual para a inflação. Foi o segundo maior impacto de grupo sobre a inflação, atrás apenas de Alimentação e Bebidas. Juntos, os dois grupos foram responsáveis por 0,73 ponto porcentual da taxa de 0,92% do IPCA de março, o equivalente a 79% da inflação registrada no mês.

As passagens aéreas ficaram 26,49% mais caras em março, após a queda de 20,55% verificada em fevereiro. O item deu a maior contribuição para o IPCA em março: 0,12 ponto porcentual. Os combustíveis também impulsionaram o resultado do grupo Transportes. O preço do etanol subiu 4,07%, com reflexo sobre o preço da gasolina, que aumentou 0,67%. Os itens automóvel novo e automóvel usado registraram aumento de 0,78% cada. O conserto de automóvel subiu 0,90%, enquanto o ônibus urbano teve elevação de 0,60%.

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEinflaçãoIPCA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.