Rafael Arbex/Estadão/25/08/2020
Rafael Arbex/Estadão/25/08/2020

Com escassez de chips, venda de carro novo cresce 3% em 2021; previsão era de alta de 15%

Crescimento abaixo do esperado foi puxado pelo segmento de automóveis e comerciais leves, que cresceu apenas 1,4%, enquanto as vendas de caminhões aumentaram mais de 30%

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2022 | 15h35

No ano marcado pela falta de microchips, problema que afetou a indústria global e no Brasil impediu a produção de cerca de 300 mil veículos, as vendas de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus somaram 2,119 milhões de unidades em 2021, apenas 3% acima do resultado do ano anterior.

Depois do tombo de 26% registrado em 2020 após a chegada ao País da pandemia do coronavírus, quando foram vendidos 2,058 milhões de veículos, o setor esperava uma recuperação de pelo menos 15%.

As fabricantes, contudo, foram atropeladas pela crise dos semicondutores, problemas de logística (falta de navios e contêineres para trazer peças importadas) e pela alta de preços de matérias-primas que foi repassada ao consumidor local.

Só o segmento de automóveis e comerciais leves, o mais afetado pela escassez de semicondutores, teve desempenho ainda pior, com vendas de 1,984 milhão de unidades em 2021, apenas 1,4% acima do resultado de 2020. No início do ano passado, a projeção das montadoras era de crescer também 15% nesse mercado. A alta de 3% foi puxada pelo segmento de caminhões, cujas vendas cresceram mais de 30%. 

Em dezembro foram vendidos 207,1 mil veículos, uma melhora de 19,7% em relação a novembro, mas 15,1% inferior ao mesmo mês de 2020. Em automóveis e comerciais leves, as vendas somaram 194,3 mil unidades, 20,3% a mais ante novembro, e 16,6% abaixo de igual período do ano anterior.

LIDERANÇA DA FIAT E DA STRADA

A Fiat foi líder absoluta do mercado, com 21,7% de participação nas vendas, e com dois modelos entre os mais vendidos no País, a Strada – primeira picape a ocupar o topo do ranking no País, com 109,1 mil unidades vendidas –, e o hatch Argo, que ficou terceira posição, com 84,6 mil unidades.

Em segundo lugar entre as marcas está a Volkswagen, com 15,4% de participação nas vendas. A General Motors, que ficou com sua principal fábrica no País fechada por quase cinco meses, encerrou o ano com 12,2% da fatia do mercado, trocando assim de posição com a Fiat, que em 2020 foi a terceira colocada.

Os dados do mercado ainda são parciais. O resultado oficial será divulgado na quinta-feira pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). No dia seguinte, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) divulgará resultados de produção, exportações e empregos do setor.

CARROS USADOS

Sem oferta suficiente nas concessionárias, o mercado de carros usados atraiu o consumidor que buscava modelos zero quilômetro e cresceu 18% em 2021 no comparativo com o ano anterior.

Foram comercializados 11,244 milhões de automóveis e comerciais leves seminovos (com até 3 anos de uso) e usados mais antigos, ou seja, quase seis unidades para cada novo vendido.

No total de usados, incluindo caminhões, motos e outros, a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos (Fenauto) contabiliza vendas de 15,107 milhões de unidades, 17,8% a mais que em 2020. Ante 2019, ano sem pandemia, o crescimento foi 3,5%.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.