Com greve de servidores, IBGE adiará divulgação da taxa de desemprego

Instituto divulgou apenas os resultados de cinco das seis regiões pesquisadas. Em SP, houve ligeira alta, para 6,5%

Daniela Amorim, da Agência Estado,

26 de julho de 2012 | 09h36

A greve dos servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) prejudicou a divulgação do resultado geral da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) em junho, e o instituto divulgou apenas os resultados de cinco das seis regiões metropolitanas utilizadas para o cálculo da taxa de desemprego da População Economicamente Ativa (PEA). Ainda não há previsão para divulgação dos dados do Rio. Os dados do Rio de Janeiro chegaram a ser coletados, mas não tiveram a apuração concluída.

Em São Paulo, a taxa de desemprego em junho ficou em 6,5%, de 6,2% em maio. Entre os dados divulgados, Belo Horizonte foi a única região a apontar queda no desemprego no período. A taxa de desocupação saiu de 5,1% em maio para 4,5% em junho.

No Recife, a desocupação ficou em 6,3%, após uma taxa de 5,9%, na mesma base de comparação. Em Salvador, o desemprego passou de 8,0% em maio para 7,9% em junho. Em Porto Alegre, a taxa saiu de 4,5% para 4,0%, o que foi considerado estabilidade pelo IBGE.

Greve

"A gente não calculou o agregado das cinco áreas, e não dá para fazer isso tentando fazer uma média simples. Porque as regiões têm pesos diferentes", afirmou Cimar Azeredo, gerente da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE. O instituto informou que decidiu divulgar a pesquisa mesmo incompleta para cumprir o calendário de divulgação de indicadores, determinado com um ano de antecedência.

"Por que resolvemos divulgar? Porque a gente tem um compromisso com a sociedade. A gente tem cinco regiões prontas, então tem de divulgar. São Paulo quer saber como está o desemprego deles. A gente não pode segurar o material que está pronto", explicou Silvia Fonseca, coordenadora de Comunicação Social do IBGE.

Tudo o que sabemos sobre:
desempregoIBGEjunho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.