Com suco de laranja em crise, Cutrale investe em grãos

A Cutrale, uma das maiores produtoras de suco de laranja do mundo, está investindo em soja e milho para exportação. Em meio a uma das piores crises vividas pela citricultura no Brasil, com estoques em alta nas indústrias e queda de consumo do produto pelo mundo, a empresa entrou nos negócios de grãos usando sua estrutura de logística montada para os negócios com polpa de laranja.

AE, Agencia Estado

24 de agosto de 2012 | 10h57

A empresa investiu em plantações de soja e milho em Mato Grosso do Sul e mantém dois escritórios, em Rondonópolis e Sorriso, em Mato Grosso. As duas cidades estão entre as maiores produtoras (em quantidade e em área plantada) desses grãos no País e concentram grandes esmagadoras do produto.

A Cutrale também investiu em uma trading, com colaboradores que compram grãos dos produtores nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e São Paulo, para comercializá-los com outros países, principalmente os asiáticos. O escoamento será feito por meio de um terminal portuário que a empresa já mantém em Guarujá (SP), e que era usado até o ano passado exclusivamente para remessas de polpa de suco de laranja para o exterior.

?A empresa decidiu comercializar essas commodities por seu grande potencial de crescimento e pela demanda cada vez maior apresentada por países asiáticos e de outras regiões do mundo?, informou a Cutrale, por meio de nota. O volume produzido e o exportado não foram divulgados.

A Cutrale é a última produtora exclusiva de suco de laranja a diversificar seus negócios de commodities. Os outros dois grandes grupos do setor, a Louis Dreyfus e a Citrosuco/Citrovita, já atuam em outras áreas. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Cutraleexportaçãogrãos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.