Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Comperj 'saiu do horizonte do plano de negócios', diz diretor da Petrobrás

Segundo Jorge Celestino, queda da demanda por diesel justifica a decisão e estatal segue na busca por sócios; projeto já consumiu US$ 13,5 bilhões

Fernanda Nunes, Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2016 | 20h57

RIO - O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) "saiu do radar" da Petrobrás até 2020, segundo o diretor de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino. A queda da demanda de óleo diesel justificou a decisão. A busca por sócios, no entanto, permanecerá, disse o executivo. Já foram gastos no projeto um total de US$ 13,5 bilhões, segundo o executivo.

O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) "saiu do radar" da Petrobrás até 2020, segundo o diretor de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino. A queda da demanda de óleo diesel justificou a decisão. A busca por sócios, no entanto, permanecerá, disse o executivo. Já foram gastos no projeto um total de US$ 13,5 bilhões, segundo o executivo.

O balanço do segundo trimestre da Petrobrás foi impactado negativamente pelo impairment associado ao projeto. De acordo com a estatal, a revisão do cronograma e dos custos de completação das unidades da refinaria associadas à Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) teve efeito de R$ 1,124 bilhão.

Ao todo, o efeito da linha de impaiment no resultado entre abril e junho ficou em R$ 1,184 bilhão - a estatal não detalhou a razão da diferença entre os números, mas informou que a perda adicional ocorreu na área de Exploração e Produção (E&P). No primeiro trimestre deste ano, o impacto por impairment ficou em R$ 294 milhões.

No acumulado do primeiro semestre, o impacto proveniente da linha de impairment foi negativo em R$ 1,478 bilhão, mais adverso do que os R$ 1,286 bilhão registrado no primeiro semestre do ano passado.

Em coletiva de imprensa, Celestino informou também que não há previsão para mexer nos preços dos combustíveis, por conta da volatilidade das cotações no mercado internacional.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.