Reuters
Reuters

Compra da BG pela Shell depende de aprovação do Cade no Brasil

Aprovação é pré-condição para união global das companhias; negócio é considerado o maior da década no setor de energia

Fernando Nakagawa, correspondente, O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2015 | 07h35


LONDRES - A multibilionária compra da BG pela Shell precisa ser aprovada por algumas autoridades internacionais de defesa da concorrência. Entre elas, a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade) é citada como "pré-condição" para o negócio anunciado na manhã desta quarta-feira, 8, na capital britânica. 

"A aprovação das autoridades da concorrência da União Europeia, Brasil, China e Austrália, assim como a aprovação do investimento estrangeiro na Austrália, são pré-condições para a combinação dos negócios", diz o comunicado enviado pela anglo-holandesa aos investidores nesta manhã. A importância da autoridade brasileira acontece devido à grande presença da Shell e da BG no setor de petróleo e gás no Brasil. 

Após a aprovação do negócio pelos conselhos de administração da Shell e BG e o anúncio ao mercado feito nesta manhã, as empresas esperam que a oferta detalhada da operação será encaminhada aos investidores da BG em no máximo 28 dias. Nessa operação, a Shell pretende comprar a britânica BG em um gigantesco negócio que soma cerca de 47 bilhões de libras - aproximadamente US$ 69 bilhões - com a entrega de dinheiro e ações. 

Mais conteúdo sobre:
ShellBGCade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.