Compra da Innova pela Videolar entra na mira do Cade

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) declarou "complexo" ato de concentração pelo qual a Videolar e seu acionista majoritário, Lírio Parisotto, adquirem 100% do capital social da Innova, petroquímica controlada pela Petrobras. Com isso, o órgão determinou a realização de novas diligências para avaliar o caso, conforme indica despacho publicado na edição desta terça-feira, 18, do Diário Oficial da União (DOU).

LUCI RIBEIRO, Agencia Estado

18 de fevereiro de 2014 | 08h49

Entre as novas ações, o Cade vai buscar o "aprofundamento da análise das condições de rivalidade no mercado de poliestireno no Brasil" e "requerer às partes a apresentação de eficiências". O despacho também aponta que o órgão antitruste poderá, posteriormente, se for o caso, requerer a ampliação do prazo para avaliação do negócio, anunciado em agosto do ano passado no valor de R$ 870 milhões.

Pelo acordo, os compradores da Innova também assumem dívidas da empresa de aproximadamente R$ 23 milhões. A Petrobras receberia um pagamento caução de R$ 174 milhões (20%) na assinatura da venda, e o restante na concretização da operação, depois de todas as aprovações de órgãos responsáveis. O saldo será corrigido pelo IGP-M.

Tanto a compradora quanto a empresa alvo da operação atuam no setor petroquímico. A Innova produz etilbenzeno, monômero de estireno e poliestireno. A Videolar é produtora de poliestireno. Segundo documento do Cade, "a transação possibilitará à Videolar acesso ao monômero de estireno, insumo atualmente importado pela companhia em sua totalidade; quanto à Innova, sua alienação se insere na política de desinvestimento constante do Plano de Negócios 2011-2015 da Petrobras".

Tudo o que sabemos sobre:
InnovaVideolarCade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.