Confiança da indústria tem primeira alta em doze meses

Segundo a FGV, confiança avançou 1,1% no mês, mas índice ainda está abaixo da média histórica

Daniela Amorim, da Agência Estado,

28 de dezembro de 2011 | 08h35

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) subiu 1,1% em dezembro, em relação a novembro, informou há pouco a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Com o resultado, o índice registrou sua única elevação em 2011.

O ICI não mostrava resultados positivos desde dezembro do ano passado, quando teve alta de 1,6%. Mas, apesar da variação positiva no mês, o ICI ficou em 101,8 pontos, um resultado ainda inferior à média histórica desde 2003, de 103,9 pontos.

A alta no ICI em dezembro foi inferior à estimada na primeira prévia do índice, divulgada no último dia 22, que previa uma alta de 2% em relação a novembro. No mês passado, o indicador completo mostrou estabilidade (0,0%) em relação a outubro. 

A melhora na avaliação dos empresários industriais sobre o momento atual ajudou a impulsionar o ICI. Segundo a FGV, O Índice da Situação Atual (ISA) avançou 1,9%, para 102,4 pontos, após alcançar em novembro 100,5 pontos, o menor nível desde julho de 2009 (96,7 pontos).

A perspectiva sobre o futuro também melhorou em dezembro. O Índice de Expectativas (IE) avançou pelo terceiro mês consecutivo, para 101,1 pontos, uma alta de 0,2%. Para a FGV, a combinação dos resultados sinaliza alguma recuperação do ritmo da atividade industrial no curto prazo.

Em relação ao aumento do ISA, a maior contribuição foi do quesito que mede a satisfação com o nível atual da demanda. O indicador atingiu 104,4 pontos neste quesito, o maior patamar dos últimos cinco meses. A proporção de empresas que consideram forte o nível da demanda atual aumentou de 14,0% para 16,7%, na passagem de novembro para dezembro, enquanto a parcela das que o avaliam como fraco passou de 11,8% para 12,0%.

Já as expectativas dos empresários industriais em relação aos meses seguintes são mais otimistas em relação às previsões para a produção no trimestre de dezembro a fevereiro, do que para as perspectivas de novas contratações no mesmo período ou sobre uma melhora do ambiente dos negócios no médio prazo, de seis meses. Entre as 1.244 empresas consultadas na sondagem de dezembro, 44,8% preveem expandir a produção nos próximos três meses (contra 31,9% em novembro), enquanto 17,5% pretendem reduzi-la (contra 5,6% em novembro).

Crise

A indústria nacional foi atingida ao longo do ano pela crise externa. Por conta disso, o governo brasileiro deverá adotar no próximo ano novas medidas de desoneração fiscal e defesa comercial.

Ontem, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, já afirmou que irá à Organização Mundial do Comércio (OMC) pedir a mudança no regime tributário de importação paraprodutos têxteis, que era baseado no sistema ad valorem, para o ad rem.

Tudo o que sabemos sobre:
ICIindústriaconfiança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.