Confiança do consumidor nos EUA se recupera

Índice sobre a confiança subiu para 52,5 este mês, acima dos 46,4 registrados em fevereiro

Reuters,

30 de março de 2010 | 12h22

A confiança do consumidor norte-americano cresceu em março, enquanto um índice do setor imobiliário mostrou que os preços de moradias subiram em janeiro pelo oitavo mês seguido, alimentando as expectativas de uma recuperação sustentável.

O Conference Board, um grupo industrial, informou que o seu índice sobre a confiança subiu para 52,5 este mês, acima dos 46,4 registrados em fevereiro (dado revisado), conduzido por um leve aumento no otimismo sobre o mercado de trabalho. A mediana das previsões de analistas ouvidos pela Reuters era de uma leitura de 50.

O índice de expectativas subiu para 70,2 ante 62,9 em fevereiro. O índice da situação atual aumentou para 26, o maior desde maio de 2009 e acima da leitura revisada de 21,7 em fevereiro.

A avaliação dos consumidores sobre o mercado de trabalho melhorou. O índice dos "postos de trabalho difíceis de obter" diminuiu de 47,3% para 45,8%, enquanto o índice de "vagas abundantes" passou para 4,4%, ante 4%. O relatório sobre o consumidor "dá crédito à escola de pensamento de recuperação econômica", disse Jim Awad, diretor-gerente da Zephyr Management em Nova York.

"É lógico que, com a economia melhorando e as bolsas subindo, a confiança do consumidor melhoraria. A questão real é o que acontece no ano que vem depois que os estímulos forem removidos, mas no curto prazo isso é boa notícia."

Os índices de preços de moradias da Standard & Poor's/Case-Shiller mostraram que os preços de moradias de uma família nos EUA subiram em janeiro pelo oitavo mês seguido. O índice S&P das 20 áreas metropolitanas cresceu 0,3%, sazonalmente ajustado, a mesma alta de dezembro.

Em uma base não ajustada, os preços caíram 0,4% em janeiro. A S&P disse que os atrasos podem afetar os ajustes sazonais. A previsão em pesquisa da Reuters mostrava uma queda de 0,3%o para o ajustado e queda de 0,2% para o índice não ajustado.

"Parece que há uma recuperação nascente acontecendo nos preços de moradias. Os números estão alinhados com as expectativas de mercado e são um pouco mais fortes que as minhas expectativas, e eu diria, falando amplamente, que isso é bem encorajador para o mercado imobiliário", disse David Sloan, economista da 4CAST em Nova York.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAconfiançaconsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.