Confisco para maiores depositantes do banco de Chipre será de 40%

Informação foi dada pelo presidente do Banco Central do país; instituições financeiras devem reabrir nesta quinta-feira 

Renato Martins, da Agência Estado,

26 de março de 2013 | 17h10

 

NICÓSIA - O presidente do Banco Central de Chipre, Panicos Demetriades, disse que os maiores depositantes no Banco de Chipre, o maior do país, sofrerão um confisco de até 40% de seus depósitos. "Não estamos em posição de dar uma cifra exata a vocês neste momento; ela será de cerca de 40%", afirmou Demetriades a jornalistas dentro da sede do BC cipriota.

Do lado de fora, centenas de manifestantes, em sua maioria bancários, protestavam contra os termos da reestruturação bancária que o governo de Chipre prometeu à União Europeia, ao Banco Central Europeu (BCE) e ao FMI. "Tirem as mãos de Chipre" e "Demetriades traidor" eram os termos de alguns dos cartazes. Os manifestantes removeram a bandeira da UE de um mastro diante da sede do Banco Central. Estudantes cipriotas também protestaram em frente ao parlamento do país. 

Segundo estimativas do governo cipriota, o confisco de depósitos deverá afetar cerca de 19 mil correntistas do Banco de Chipre, que, combinados, têm cerca de 8,01 bilhões de euros em depósitos não garantidos. Já os correntistas do Banco Popular de Chipre, que têm 3,2 bilhões de euros em depósitos não garantidos, deverão perder toda essa quantia ou quase toda, de acordo com funcionários do governo.

Os bancos cipriotas estão fechados desde 16 de março e devem reabrir somente nesta quinta-feira. Demetriades disse que os reguladores do sistema financeiro do país estão fazendo "um trabalho sobre-humano" para que eles possam reabrir.

Temendo uma corrida aos bancos quando eles reabrirem, o governo de Chipre está se preparando para implementar controles sobre os fluxos de capital; é o primeiro país da zona do euro a fazer isso, e é a primeira vez que o FMI endossa uma iniciativa como essa.

Falando na mesma entrevista coletiva, o ministro das Finanças, Michalis Sarris, disse que os controles de capital vão vigorar somente por um período curto de tempo. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
ChipreEuropaconfiscocrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.